Share, , Google Plus, Pinterest,

Print

Posted in:

Estado Livre de Jones

de Gary Ross

mau

Que tremenda desilusão. Estado Livre de Jones desperdiça totalmente a sua importantissima história verídica, quando não decide o que na realidade quer ser. Aqui encontramos Matthew McConaughey em mais uma performance emocional, mas que mesmo assim é incapaz de impressionar ou marcar a diferença, nesta a narrativa aborrecida e inconsistente sem qualquer notoriedade.

 

Durante a Guerra Civil Americana, Newton Knight (Matthew McConaughey) um agricultor do condado de Jones no estado do Mississipi, abandona a guerra para se juntar a um grupo de desertores e escravos fugidos de várias localidades para formar uma rebelião que lutava contra a igualdade de direitos perante a confederação do condado. Com um papel extremamente importante na luta dos direitos civis e igualdade entre raças e género, Knight foi figura imponente ao estabelecer sem medos uma comunidade multi-racional. Um drama ficcional baseado em factos verídicos sobre a verdadeira história de Newton Knight.

A sequência de abertura remete para a violência e hostilidade vividas no período da Guerra Civil, onde de imediato sentimos que a performance de Matthew McConaughey será sólida, mas não o suficiente, pois apesar de todo o seu esforço, nunca entramos totalmente dentro do personagem, que é abordado sempre superficialmente. Rapidamente percebemos que estaremos perante uma lista de problemas que o impedem de se tornar tão grandioso como a sua história. Escrito e realizado por Gary Ross (SeabiscuitThe Hunger Games), que o estruturou em algo parecido a uma mini série, e angustiosamente vai perdendo a intensidade assim que se vai arrastando durante as suas duas horas e quinze minutos. O filme opta por se focar em alguns momentos mais significativos, com falta de profundidade e estudo dos personagens. Sem mais nem menos avançamos no tempo 85 anos, e estamos perante o julgamento do bisneto de Knight e Rachel, também ele vitima do racismo no Mississipi, e é aí que a esperança no filme é restaurada, mas que não passa de apenas mais um desvio nunca devidamente explorado. No meio de tanta falha é importante salientar as sólidas performances de Mahershala Ali como escravo activista e de Gugu Mbatha-Raw como mulher de Knight.

Estado Livre de Jones falha por não ser capaz de provocar a verdadeira essência e emotividade do tema, focando-se sempre no que não é necessário ou repetindo por várias vezes os mesmos diálogos e intenções. Uma versão histórica desapaixonada.

Resumo da crítica

Summary

Estado Livre de Jones falha por não ser capaz de provocar a verdadeira essência e emotividade do tema.

Classificação

  • Argumento
  • Interpretação
  • Produção
  • Realização
2 10 mau

Comentários

Share, , Google Plus, Pinterest,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *