Share, , Google Plus, Pinterest,

Print

Posted in:

Viral

de Henry Joost e Ariel Schulman

Bad

Dos criadores de Actividade Paranormal 3 e 4 chega Viral, um filme onde o grotesco e sangrento são os pratos fortes na aterrorização de um grupo de jovens a braços com uma epidemia que transforma pessoas numa espécie de zombies.

 

Quando a Blumhouse Productions anuncia um nova proposta de terror, pensamos em franchises de sucesso como Actividade Paranormal, A Purga, Insidious e Ouija, séries de filmes que têm granjeado fãs entre os consumidores do género. É pela mão de dois realizadores de segunda linha dessa casa, Henry Joost e Ariel Schulman (responsáveis, também em conjunto, por Actividade Paranormal 3 e 4), que nos chega agora Viral, com promessas de grotesco e sangue suficientes para gerar emoções fortes.

Começa logo aí o primeiro equívoco deste cinema de terror do século XXI, apostando-se cada vez mais numa espécie de feira de efeitos e atracções, onde o único objectivo é superar o filme anterior, mantendo tudo igual. Os ingredientes estão lá todos, como se houvesse uma regra escrita que obrigasse a incluí-los: uma série de secundários que sabemos serem apenas carne para canhão; um elenco juvenil, como se só existissem jovens no planeta, pois assim agrada-se mais à demografia pretendida nos cinemas; uma localização remota, que fica imediatamente isolada do mundo, só porque dá mais jeito em termos narrativos; e por fim aquele já irritante culto da virgindade, que nos faz saber que a rapariga pura e sem namorado sobreviverá, quando todos os seus colegas mais «experientes» irão por isso morrer.

Enumerados os ingredientes do costume, o que temos é a história de um estranho parasita que atinge a terra, infectando seres humanos, e transformando os seus hospedeiros numa espécie de zombies assassinos. Pelos olhos da virginal Emma Drakeford (Sofia Black-D’Elia) vemos a sua melhor amiga, Gracie (Linzie Gray) ser a primeira vítima, testemunhamos a relação atribulada com a irmã Stacey (Analeigh Tipton), e as tentativas de iniciar um namoro com o vizinho Evan (Travis Tope), enquanto vamos inferindo sobre o definhar da relação dos pais que fez as duas irmãs terem de mudar de cidade. É muito para uma localidade em quarentena, onde qualquer vizinho pode já ser um dos tais zombies.

Por entre os conflitos entre irmãs, e a tentativa desesperada de sobrevivência, Viral é uma mistura de home invasion (com as Drakeford barricadas em casa) e de filme catástrofe de doenças epidémicas. Os sustos sucedem-se a metro, num argumento previsível e que, como dito antes, tem forçosamente de picar o ponto em todas as paragens e apeadeiros do género.

Para finalizar com o maior dos equívocos, o parasita nem sequer é um vírus, mas sim algo que mais se parece com um verme.

Review overview

Summary

Amarrado às convenções do género, Viral é um cruzamento de home invasion com filme de catástrofe epidémica, onde não falta a virginal final girl e os sustos a metro do costume.

Ratings in depth

  • Argumento
  • Interpretação
  • Produção
  • Realização
3 10 Bad

Comentários

Share, , Google Plus, Pinterest,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *