Share, , Google Plus, Pinterest,

Print

Posted in:

Southpaw – Coração de Aço

de Antoine Fuqua

mediano

Jack Gyllenhaal tem vindo a construir uma sólida carreira, feita de escolhas bastante interessantes. A transformação física para interpretar um pugilista neste Southpaw – Coração de Aço é de elogiar, e o toque profundo que dá à interpretação notável, acontece que mesmo com o seu esforço o filme transforma-se a passo e passo num circulo de inúmeros clichés, conseguindo chegar ao mediano devido apenas à sua pessoa.

 

Billy Hope (Jake Gyllenhaal) é um famoso e bem sucedido pugilista no topo da sua carreira. A viver em Nova Iorque com a sua mulher Maureen (Rachel McAdams) e a filha Leila (Oona Laurence), a família vive para as competições e depende totalmente do sucesso da carreira de Billy, que lhes proporciona uma vida bastante estável e agradável. Após uma grave lesão na vista, Maureen convence Billy a retirar-se no seu auge, para viver tranquilamente com as duas uma vida normal, mas a decisão de realizar mais uma luta com um forte adversário rival, – provocado pelo mesmo num evento de caridade – tomará proporções gravíssimas, que acabarão por destruir não só a sua carreia, como tomaram conta de tudo aquilo que Billy mais ama na vida.

 

Antoine Fuqua volta a realizar mais um filme, que carece de fascínio e simpatia, tendo vindo a repetir nos últimos anos as mesmas formulas cheias de clichés e cenas previsíveis, apenas mudando os temas. Sem Jake Gyllenhaal esteve filme não seria certamente o que é, e se há algo que nos prende até ao fim, é sem dúvida a sua performance, perante um enredo que não faz jus à sua performance. Determinando-se a ser uma história sobre crescimento, moral e recomeçar do zero, sabe sempre a pouco, nunca satisfazendo no que toca a emoções (ou à falta delas), recusando-se a inovar, tornando-se por vezes indiferente, quando deveria ser mais efectivo.

Southpaw – Coração de Aço fica assim muito aquém de outros filmes do género, sendo completamente ofuscado saindo no mesmo ano do energético e vibrante Creed. Um erro de casting e teria sido absolutamente terrível. Pena que lhe falte ambição, mas vale a pena ver por Gyllenhaal.

Review overview

Summary

Sem Jake Gyllenhaal esteve filme não seria certamente o que é, e se há algo que nos prende até ao fim, é sem dúvida a sua performance, perante um enredo que não lhe faz jus.

Ratings in depth

  • Argumento
  • Interpretação
  • Produção
  • Realização
2.25 10 mediano

Comentários

Share, , Google Plus, Pinterest,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *