Share, , Google Plus, Pinterest,

Print

Posted in:

A Partir de Uma História Verdadeira

de Roman Polanski

muito bom

O mestre da paranóia e obsessão está de volta com A Partir de Uma História Verdadeira, para mostrar como se manipula personagens e espectadores sem que estes o percebam.

 

Recordando-nos que continua a ser o mestre do cinema da paranóia, Roman Polanski, já com 74 anos, volta a desafiar-nos com o seu mais recente A Partir de Uma História Verdadeira, adaptado do romance homónimo de Delphine de Vigan, com argumento escrito a meias com o também realizador Olivier Assayas.

Regressando ao mundo claustrofóbico de paranóias pessoais e visões de túnel doentiamente subjectivas que o celebrizaram em filmes como Repulsa (Repulsion, 1965) e O Inquilino (Le locataire, 1976), Polanski centra-se agora no mundo da literatura, para nos trazer conflitos de personalidade quando a sua protagonista Delphine Dayrieux (Emmanuelle Seigner) resolve usar a sua vida pessoal como tema do seu mais recente livro. E repare-se como a primeira perversão desta ideia começa logo na coincidência de nome entre a escritora protagonista do filme e a escritora autora do livro que originou o filme.

A partir daí, e principalmente quando a fã Ela – note-se a ambiguidade do nome – (interpretada por Eva Green) passa a amiga, confidente, e substituta assertiva na falta de decisões da escritora, esbatem-se as barreiras entre realidade e ficção, entre vida real e imaginada, entre autora e fã. Como se Polanski nos quisesse desafiar entre o que é ou não verdade naquilo que vemos e naquilo que Delphine crê ser a sua realidade. Tudo isto, regado, claro está, pela crescente claustrofobia, suspense e medo, onde o olhar de Eva Green – cuja Ela se assume como escritora-fantasma (piscadela de olhos ao filme de 2010 de Polanski), profissão de quem assume as vidas dos outros, nas biografias que escreve para eles, ou nas vidas em que imiscui – atrai tanto quanto incomoda, e é suficiente para nos lançar num carrossel de incertezas, num filme do qual, tal como a protagonista, saímos sem saber bem que história vimos, e o que de facto terá acontecido.

É esse o triunfo de Polanski, que mesmo que não nos traga nada de novo, nem este seu filme seja dos mais marcantes da sua muito interessante carreira, consegue mostrar como se narra por imagens, se inquieta com simples enquadramentos, e se incomoda com sugestões, num argumento inteligente, e com interpretações portentosas.

Review overview

Summary

Inquietante e desafiante, A Partir de Uma História Verdadeira é mais um inteligente filme de Polanski, onde, com interpretações de luxo e uma arte subtil de narrar por imagens, o mestre polaco nos manipula numa história de paranóia e subjectividade.

Ratings in depth

  • Argumento
  • Interpretação
  • Produção
  • Realização
3.5 10 muito bom

Comentários