Share, , Google Plus, Pinterest,

Print

Posted in:

[Olhares do Mediterrâneo] Smile

de Fernando Pozo

muito bom

Um retrato tocante de duas crianças com necessidades especiais e a luta diária dos pais para lhes proporcionarem uma vivência digna.

 

Um desafio aliciante proposto por festivais de cinema como Olhares do Mediterrâneo é a descoberta de filmes especiais que, de outra forma, provavelmente nunca veríamos. Especialmente se estivermos a falar de documentários — um género ainda mal tratado pela máquina de distribuição comercial, mas generosamente representado nesta mostra que pretende promover a enorme diversidade da cultura da bacia do Mediterrâneo nas suas diversas manifestações artísticas. A premissa para a escolha das obras é providenciar um ponto de vista feminino, ou seja, são escolhidas obras onde mulheres dos países do Mediterrâneo tenham tido um papel fundamental na equipa criativa. No caso do documentário espanhol de 2017 Smile, de Fernando Pozo, o argumento foi escrito numa parceria do próprio realizador com Estefanía García.

Na sinopse apresentada pelo festival pode-se ler “Raúl, um adolescente com paralisia cerebral expressa as suas inquietações e pensamentos através de um mimo. David, um menino com autismo, gosta de aviões e tem uma obsessão por folhetos publicitários. Retrato de duas crianças muito especiais e da sua relação com os pais.” Estamos, portanto, perante um tema sensível e pouco explorado pelo cinema, independentemente do género. Mas o cinema também se faz de confronto, de consciencialização e de empatia. E, nestes termos, Smile é exemplar!

Além da perspectiva dos pais que lidam com situações extraordinárias, dedicando-se sem ego nem sobranceria à expressão maior do amor que se pode estender a outro ser humano — aqui, totalmente dependente de outrem para a sua própria sobrevivência — o guião de García e Pozo arrisca-se (com sucesso) a dar voz a quem não a tem e nunca terá de forma cristalina, privilégio de quem nasceu em condições de nunca pensar duas vezes em tamanha fortuna. Em interlúdios interpretados por actores, tanto à frente da câmara como em voz offSmile compara o universo de Raúl com a performance de um mimo, onde as palavras são substituídas pela subtileza da linguagem corporal e visual.

O maior triunfo de Smile é ter conseguido evitar as armadilhas dramáticas do seu tema, navegando com elegância entre os momentos de reflexão, de desabafo, de desespero, de esperança e de rara e sublime ligação emocional entre os ansiosos pais e o filho que nunca conseguirão deixar de tratar e amar até ao fim das suas vidas.

 

Review overview

Summary

Um documentário sensível que navega elegantemente por um tema tocante e muito humano.

Ratings in depth

  • Argumento
  • Interpretação
  • Produção
  • Realização
3.5 10 muito bom

Comentários

Share, , Google Plus, Pinterest,

Written by António Araújo

António Araújo

Cinéfilo, mascara-se de escritor nas horas vagas, para se revelar em noites de lua cheia como apaixonado podcaster.

260 posts