Share, , Google Plus, Pinterest,

Print

Posted in:

[MOTELX 2020] The Intruder – El Prófugo

de Natalia Meta

muito bom

El Prófugo conta uma história de terror psicológico e interior numa perspectiva feminina.

 

Selecionado para a competição no 70º Festival Internacional de Cinema de Berlim, The Intruder, ou no original, El Prófugo, é um filme escrito e realizado pela argentina Natalia Meta baseado livremente no romance El mal menor do conterrâneo C. E. Feiling. Centrado no desempenho de Erica Rivas, conta uma história de terror psicológico e interior que tem valido comparações a filmes como O Cise Negro (Black Swan, Darren Aronofsky, 2010), pela perspectiva feminina e pela ambiguidade da provação da protagonista, e O Som do Medo (Berberian Sound Studio, Peter Strickland, 2012), pela afinidade temática da importância da experiência sonora na arte fílmica, presente em ambos os filmes. Contudo, as comparações não traduzem correctamente El Prófugo, servindo apenas como uma forma sintética de tentar descrever um título muito original.

Repescando a sinopse fornecida pelo MOTELX, “Inés trabalha como actriz de dobragens e canta num coro em Buenos Aires. Durante uma viagem idílica, ela sofre um episódio traumático do qual não consegue recuperar. Sofre com problemas de sono e experiência pesadelos muito vívidos ao mesmo tempo que estranhos sons começam a emergir de dentro dela. Acordada, Inés sente-se subitamente cercada de pessoas que parecem provir dos seus sonhos.” Natalia Meta, em notória cumplicidade com a sua actriz principal, constrói um meticuloso e ambíguo thriller assente num narrador não fiável que estabelece uma ligação indelével entre os agentes externos que exercem pressão sobre si e as suas inseguranças internas, entidades que parecem navegar entre o mundo dos sonhos e o mundo da vigília para, também aqui, influenciarem o desenrolar dos acontecimentos.

Depois do episódio traumático que serve como pontapé de saída para o filme, e do qual não há certezas sobre a sua causa, Inés batalha para alcançar a sua voz de soprano no coro a que pertence. Nas gravações das dobragens de filmes orientais, estilizadas cenas de pendor onírico, a sua voz parece carregar uma carga electromagnética que interfere com instrumentos de gravação. Apesar do apoio da mãe, Marta, uma participação de Cecilia Roth, que conhecemos dos filmes de Pedro Almodóvar, e do afinador de orgão que a corteja, Alberto, Nahuel Pérez Biscayart, Inés é assolada por estranhas ocorrências intimamente ligada aos seus sonhos. O terror, neste filme, tem origem neste jogo tenso entre a realidade e a fantasia, bem como o sentimento de impotência e falta de controlo na própria vida. El Prófugo é um estudo de personagem, menos preocupado com trama e mais com a vida interior da sua protagonista, reservada e fechada perante terceiros. Lentamente, e de forma muito subtil, revela uma perspectiva muito pessoal da experiência feminina, especialmente no que toca às relações inter-pessoais, tanto familiares como amorosas. Curiosamente, num final que não deixa de ser ambíguo, a nota é de optimismo, contrariando o negrume tão habilmente construído até então.

Review overview

Summary

Em El Prófugo, o terror tem origem num jogo tenso entre a realidade e a fantasia, bem como o sentimento de impotência e falta de controlo na própria vida, sendo um estudo de personagem menos preocupado com trama e mais com a vida interior da sua protagonista,

Ratings in depth

  • Argumento
  • Interpretação
  • Produção
  • Realização
4 10 muito bom

Comentários

Written by António Araújo

António Araújo

Cinéfilo, mascara-se de escritor nas horas vagas, para se revelar em noites de lua cheia como apaixonado podcaster.

363 posts