Share, , Google Plus, Pinterest,

Print

Posted in:

MOTELX 2020, o palmarés

Na sessão de encerramento da 14.ª edição do MOTELX – Festival Internacional de Cinema de Terror de Lisboa, na noite de 13 de Setembro, foram anunciados os vencedores das duas secções competitivas do festival.

Prémio MOTELX – Melhor Curta de Terror Portuguesa, no valor de 5000€ foi atribuído a “Mata”. História de um casal perdido numa floresta cujo reencontro traz consequências aterradoras, “Mata” é, nas palavras do júri composto por Pandora da Cunha Telles, João Pedro Rodrigues e Margarida Vila-Nova, “um filme sólido que joga com o imaginário da literatura fantástica, mergulhando num espaço onde enfrentamos os nossos pequenos medos”, e que, “em escassos minutos e sem pretensões”, “revela a promessa de um jovem realizador”. “Mata” fica automaticamente seleccionada para o Prémio Méliès d’or, que será atribuído pela Méliès International Festivals Federation em Outubro no Festival de Sitges, em Espanha.

O júri decidiu ainda atribuir uma Menção Especial a “A Grande Paródia”, de André Carvalho, “filme visceral” sobre um realizador que adormece enquanto vê televisão e sonha vender a alma a troco de fama e glória. “Transgredindo a ironia”, a curta-metragem desarmou o júri “pela sua brutalidade” e “pela coragem tocante, no limite da castração e da auto-representação.”

Na competição internacional, “Pelican Blood”, de Katrin Gebbe, venceu o Prémio MOTELX – Melhor Longa de Terror Europeia 2020 / Méliès d’argent, numa edição que se destacou por um número recorde de filmes feitos por mulheres. O segundo filme da realizadora alemã (co-produção Alemanha/Bulgária) explora a agonia de uma mãe que adopta uma criança que vem a revelar comportamentos perturbadores. “Uma escolha unânime” para o júri composto por Pedro Mexia, Filipe Homem Fonseca e Carla Galvão, que aplaude “um filme que instala uma tensão permanente, um filme sobre o instinto maternal e a saúde mental, sobre a perda e o sacrifício, sobre o mal como protecção, um mal reeducável, que faz apelo à coragem e à perseverança, contra toda a lógica e toda a esperança.”

Num ano atípico e desafiante, sob o espectro de medidas reforçadas de segurança, o público voltou a regressar em força ao Festival, numa edição que superou expectativas e que contou com mais de 20 sessões esgotadas. A 14.ª edição do MOTELX encerra hoje, 14 de Setembro, dia em que será possível voltar a ver “Pelican Blood” e alguns dos filmes mais populares do Festival, para além de novidades como o documentário “Scream, Queen! My Nightmare on Elm Street” e o já clássico “Get Out”, de Jordan Peele. Mais informações em www.motelx.org.

Comentários

Written by António Araújo

António Araújo

Cinéfilo, mascara-se de escritor nas horas vagas, para se revelar em noites de lua cheia como apaixonado podcaster.

359 posts