Share, , Google Plus, Pinterest,

Print

Posted in:

Vida Inteligente

de Daniel Espinosa

mediano

Sem fazer esquecer  os clássicos em que se inspira, Vida Inteligente é um thriller de ficção científica apostado em maravilhar-nos com os movimentos em gravidade zero, enquanto nos convence do quanto a descoberta de vida fora da Terra nos pode ser letal.

 

Depois de Detenção de Risco (2012) e A Criança nº44 (2015), o sueco Daniel Espinosa prossegue a sua carreira americana, feita à medida, com a terceira longa-metragem Vida Inteligente/Life deste ano.

A descrição não podia ser mais simples. Imagine-se um cruzamento entre Alien, o 8º Passageiro (1979) de Ridley Scott e Gravidade (2013) de Alfonso Cuarón, e temos o mapa completo de Vida Inteligente. Por outras palavras, por um lado o filme de Espinosa faz uso da estética de Gravidade, com a imponderabilidade da gravidade zero, os movimentos onde todos os referenciais e rotações são permitidas, os problemas da vida no espaço, quando fora da estação só há vácuo, e os inúmeros incidentes que vão tornando cada momento uma cada vez mais descontrolada situação de emergência. Por outro, acrescenta-se a ameaça alienígena, na forma de um aterrorizador ser estranho, trazido a bordo sem se esperar que possa causar tanto dano. Pelo meio em jeito de explicação científica, fica um cheirinho de A Ameaça de Andrómeda (1971) de Robert Wise, pelo modo como tudo nasce da análise de espécimes microscópicos.

Dito isto, torna-se óbvio que Vida Inteligente é um thriller de ficção científica com muito de terror, por vezes mesmo bastante gráfico. Para tal, faz uso da claustrofobia inerente ao espaço onde os personagens se movem, de uma rica paleta de efeitos especiais e de um elenco de luxo (Jake Gyllenhaal, Rebecca Ferguson, Ryan Reynolds, Olga Dihovichnaya, Ariyon Bakare e Hiroyuki Sanada), o qual tem por função ir-nos dando a perceber o perigo crescente que se está a correr. Se o elenco não tem muito com que trabalhar senão expressões de pânico e incredulidade, pelo menos não se sofre a pena de, como acontecia em Gravidade, termos um personagem a falar sozinho durante o filme todo, só para que o espectador perceba o que está a acontecer.

Se, como thriller, podemos dizer que Vida Inteligente consegue os seus propósitos, com momentos de tensão em ritmo acelerado, nunca conseguimos esquecer que se trata apenas de uma versão visualmente actualizada de outos filmes que marcaram momentos no cinema de ficção científica, o que o torna demasiado previsível. Ficam ainda as perguntas: será que o cinema de grande espectáculo tem necessariamente de ser feito de explosões e destruição? E a ameaça alienígena, tão típica do cinema de série B da década de 1950, volta a ser símbolo da nova paranóia sobre tudo o que nos é desconhecido? Este início da era de Trump dá que pensar.

Resumo da crítica

Summary

Thriller eficaz e visualmente muito apelativo, Vida Inteligente é como o anão que está aos ombros de gigantes, alicerçado nos triunfos dos filmes em que se inspira, para nos dar uma versão actualizada em termos de efeitos especiais, mas por isso mesmo previsível desde os primeiros minutos.

Classificação

  • Argumento
  • Interpretação
  • Produção
  • Realização
2.5 10 mediano

Comentários

Share, , Google Plus, Pinterest,

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *