Share, , Google Plus, Pinterest,

Print

Posted in:

Um Editor de Génios

de Michael Grandage

mau

Não é muito comum vermos uma história sobre literatura, acerca de quem geralmente passa despercebido durante o processo de criação de uma obra escrita. Realizado por Michael Grandage, baseado em factos verídicos, Um Editor de Génios conta a história da relação entre o editor Maxwell Perkins e Thomas Wolfe, duas das figuras mais importantes da literatura norte americana. Infelizmente não é suficientemente forte, interessante e coerente.

 

Maxwell Perkins (Colin Firth), um dos editores literários mais conhecidos de sempre – responsável por ter descoberto autores como Ernest Hemingway e F. Scott Fitzgerald – conhece o excêntrico Thomas Wolfe (Jude Law) estaria longe de imaginar que estava perante mais uma das suas significativas descobertas literárias. A frenética relação profissional entre os dois vai ficando cada vez mais forte, e a constante interacção no trabalho iria transformar-se numa grande amizade que irá também interferir na vida pessoal que cada um. Aqui seguimos o percurso criativo, não da criação narrativa em si, mas da estruturação dos romances de Wolfe, e do papel fundamental que Perkins teve, contribuindo em muito para o sucesso e reconhecimento de Wolfe, inicialmente rejeitado mundo da literatura.

Infelizmente, apesar da forte tentativa de empatia pelos personagens centrais, é estranho como a química entre Colin Firth e Jude Law nem sempre funciona, e mesmo assim o desempenho de ambos é razoável. Talvez por culpa da narrativa que não se esforça por despertar qualquer interesse, debruçando-se sobre as mesmas ideias vezes sem conta, o filme transforma-se em algo desinteressante e por vezes aborrecido. As presenças femininas, são provavelmente as mais agradáveis, e ainda assim são desperdiçadas, dando pouco tempo de ecrã tanto a Nicole Kidman como a Laura Linney, arrastadas para segundo plano quando poderiam ter sido aproveitadas numa diferente abordagem.

Um Editor de Génios é tudo menos genial, com pouco carisma ou sequer a magia necessária para nos transportar até à época. Será facilmente esquecido.

Resumo da crítica

Summary

Sem uma dinâmica interessante e com pouco entusiasmo, nada de especial é aqui destacado. Perdeu-se assim a oportunidade de explorar um outro lado da obra literária.

Classificação

  • Argumento
  • Interpretação
  • Produção
  • Realização
2 10 mau

Comentários

Share, , Google Plus, Pinterest,

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *